sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Review do album "Lemonade" da Beyoncé


A vida deu uns limoes azedos para B-onça e ela fez uma das melhores limonadas. O babado foi forte!
Neste album, as musicas sao interligadas e contam uma historia. Na box contém 2 cds, um so com as musicas e o outro é um album visual com a narraçao dos acontecimentos e os videoclipes.

Lemonade é um cd muito pessoal e intimista, ela poe pra fora tudo o que sente como mulher, esposa, mae, cidada e como lida com assuntos como: traiçao, familia, feminismo e racismo.
Ela usou varios ritmos: reggae, rock, country, soul, gospel, hip hop e tem participaçoes especiais de Jack White, The Weeknd, James Blake e Kendrick Lamar. A fotografia dos videos e do encarte do cd, os figurinos, a coreografia, as dançarinas é tudo sensacional! As narraçoes foram escritas pela poetisa keniana Warsan Shire, autora de Teaching my mother how to give birth e Her blue body.

Sem mais delongas, falarei de cada musica e de cada narraçao com partes chocantes das letras:

1) A narraçao é intitulada "Intuition". Quando ela teve a intuiçao de que estava sendo traida e aquilo a fez mergulhar em uma tristeza profunda. Seguida da musica "Pray You Catch Me": 
"You can taste the dishonesty 
It's on your breath as you pass it off so cavalier".
E termina com: "What are you doing my love?"


2) Narraçao: "Denial" (negaçao), seguida da musica "Hold up", no clipe ela esta toda poderosa com taco de baseball quebrando tudo e perguntando: O que é pior, ser ciumenta ou louca? Eu prefiro ser louca.

Partes da letra: What a wicked way to treat the girl that loves you (Que jeito estranho de tratar a garota que te ama)
Something don't feel right
Because it ain't right
Especially comin' up after midnight
I smell your secret, and I'm not too perfect
To ever feel this worthless
How did it come down to this?
Scrolling through your call list
I don't wanna lose my pride, but I'm a fuck me up a bitch
Know that I kept it sexy, and know I kept it fun
There's something that I'm missing, maybe my head for one
What's worse, lookin' jealous or crazy, jealous or crazy?
Or like being walked all over lately, walked all over lately
I'd rather be crazy



3) Narraçao: "Anger" (raiva), ela despeja todo odio que ela esta sentindo. Musica: "Don't Hurt Yourself" com Jack White. 
A letra: "Quem vc pensa que é? Guarda seu dinheiro que eu tenho o meu. Esse é o ultimo aviso, se vc tentar essa merda de novo, você vai perder sua esposa".

Who the fuck do you think I am?
You ain't married to no average bitch, boy
You can watch my fat ass twist boy
As I bounce to the next dick boy
And keep your money, I've got my own
Keep a bigger smile on my face, being alone
Bad motherfucker, God complex...
When you hurt me, you hurt yourself
Don't hurt yourself
When you diss me, you diss yourself
Don't hurt yourself
this is your final warning
You know I give you life
If you try this shit again
You gonna lose your wife

4) Narraçao: "Apathy", seguida da musica "Sorry" em que ela desdenha do pedido de perdao e ainda diz o nome da amante: a Becky do cabelo bom. Também disse que se arrepende da noite em que colocou a aliança. Ela e a filha vao ficar bem sem ele.

Sorry, I ain't sorry
Sorry, I ain't sorry
I ain't sorry
Nigga nah

Looking at my watch he should've been home
Today I regret the night I put that ring on
He always got them fucking excuses
I pray to the Lord you reveal what his truth is

Suicide before you see this tear fall down my eyes
Me and my baby we gone be alright
We gon' live a good life
Big homie better grow up

He only want me when I'm not there
He better call Becky with the good hair

Veja o video que é lindo, cheio de elementos etnicos e tem a Serena Williams divando e rebolando até o chao.

 5) Narraçao "Emptiness" (vazio), seguida da musica 6 Inch, com a participaçao especial do The Weeknd. Na letra diz que trabalha de salto alto de segunda a domingo, dia e noite e ela vale cada dolar que ganha.

Oh baby you know, she got them commas and them decimals
She don't gotta give it up cause she professional

She too smart to crave material things
She pushing herself day and night
She grinds from Monday to Friday
Works from Friday to Sunday
Oh, stars in her eyes
She fights and she sweats those sleepless nights
But she don't mind, she loves the grind

She works for the money, she work for the money
From the start to the finish
And she worth every dollar, she worth every dollar
And she worth every minute
Oh, gonna make you feel
You always come back to me

6) Narraçao "Accountability", seguida da musica country "Daddy Lessons". No clipe tem o video de quando ela era criança conversando com o pai. Na letra fala dos conselhos que ele dava a ela: "Meu pai me alertou sobre homens como você e falou para eu atirar". Eita!


My daddy warned me about men like you
He said baby girl he's playing you
He's playing you
Cause when trouble comes in town
And men like me come around
Oh, my daddy said shoot

A partir da sétima musica, o momento da raiva passou e começa o processo do perdao.

7) Narraçao: Reformation. Musica: Love Drought. Este clipe tem a fotografia mais linda do cd.



Ten times out of nine, I know you're lying
But nine times outta ten, I know you're trying
Cause you, you, you, you and me could move a mountain
You, you, you, you and me could calm a war down
You, you, you, you and me could make it rain now
You, you, you, you and me could stop this love drought

8) Narraçao: Forgiveness (perdao). Musica: Sandcastles. Assim como o periodo da raiva foi intenso o do perdao e reconciliaçao também é. Impossivel ver o clipe desta musica sem chorar, ela relembra os melhores momentos deles juntos. Meu coraçao nao aguenta tantas emoçoes assim nao.


What is it about you?
That I can't erase baby
When every promise don't work out that way
No no baby
When every promise don't work out that way
And your heart is broken
Cause I walked away
Show me your scars
And I won't walk away
And I know I promised that I couldn't stay

9) Narraçao: Resurrection. Musica: Forward (siga em frente), com a partipaçao do James Blake (adoro a voz dele ♥). No video, mulheres com fotos de filhos, pais e maridos que foram mortos. Muito forte! 

10) Narraçao: Hope (esperança). Musica: Freedom (liberdade), com Kendrick Lamar. É outro video sobre questoes raciais, ela militante na campanha Black Lives Matter.


Freedom! Freedom! I can't move
Freedom, cut me loose!
Freedom! Freedom! Where are you?
Cause I need freedom too!
I break chains all by myself
Won't let my freedom rot in hell
Hey! I'ma keep running
Cause a winner don't quit on themselves

11) Narraçao: Redemption. Musica: All night. Minha musica e meu clipe favorito do album. Aqui ela da receita da limonada. Tem a avo dela no aniversario de 90 anos dizendo "se a vida te der limoes, faça limonada", tem foto do casamento, ela gravida, fazendo tattoo com o marido,  a Ivy Blue (filha), gente linda se abraçando na rua. Como nao amar?
All I wanna
Be no other
Be together
I remember
Sweet love
All night long


12) Para finalizar: Formation. Ja falei deste clipe aqui. Esta é a cena mais tocante....


Nem preciso dizer o quanto gosto deste CD, recomendadissimo! Mostra como passar da raiva à redençao, Bey ensina. Temos que ter o tempo de luto, de surto, de odio, de choro, mas quando a poeira baixa, é melhor repirar e continuar, além de ter humildade para perdoar, porque perdao nao é pra qualquer um. Eu nunca perdoo quem me ofende.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Jornal das minhas loucuras privadas 12

Oleo de coco

Disseram-me para usar oleo de coco no cabelo que é bom. A boba acreditou. Ficou com o cabelo todo empastado, parecia que tinha passado Kolene. Lavei o cabelo e ele continuou seboso. 
Ana, nem tudo que é bom para os outros é bom pra você, aprenda!


Celular pré-pago 

Comprei um cartao pré-pago pro celular porque preciso apenas receber chamadas, ja que nao ligo pra ninguém. O maldito numero era de uma garota de programa, aqui eles chamam de "escorte" (escolta, traduzindo ao pé da letra). Sexta à noite o telefone nao para, sabado vai até 3h da manha, ja teve um caso de segunda, às 9h da manha. Essa garota deve estar nadando no dinheiro numa ilha paradisiaca e eu tendo que lidar com os clientes dela. À noite eu nem atendo mais porque aqui a gente paga as chamadas feitas e também as recebidas, eu que nao vou gastar mais meus créditos despachando uzomis. Tem coisas que so acontecem comigo. VDM!

Parece facil, mas nao é: pendurar cortina

Como é possivel chegar nesta altura da vida sem nunca ter pendurado uma cortina? No apartamento vazio, vi que a primeira providência era colocar uma cortina no quarto para ter um pouco de privacidade. Para isso eu precisaria de:
  • Uma trena para medir a janela para saber o tamanho da cortina e para marcar onde os furos serao feitos
  • Uma escada
  • Martelo, pregos, furadeira
  • A cortina
  • O pau de pendurar a cortina

Eu nao tinha nada disso, apelei pro easy way, ou seja, o jeitinho brasileiro de fazer gambiarra. Fui no Exercito da Salvaçao, comprei uma cortina de $2 dolares e colei com fita crepe, era pra ficar assim por uns dois dias, mas ficou por meses.

Éramos seis

Seis pessoas foram contratadas, 5 homens e uma mulher (eu), sendo dois estrangeiros, um tunisiano e eu, os outros quatro sao daqui mesmo. Somos terceirizados num orgao do governo. Mês passado mandaram o primeiro embora, esta semana mandaram o segundo. Estou me sentindo numa mistura de Jogos Mortais, Hunger Games e um arena de gladiadores. Quem vai aguentar a pressao por mais tempo? Quem vai pedir pra sair? Quem vai ser o proximo a ser convidado a se retirar? Isso porque nosso contrato iria até março, mas agora a qualquer momento podemos levar um pé na bunda. 
A chefe chamou os 4 restantes e disse que o ultimo que saiu nao atendia às expectativas, ainda disse para nao ficarmos preocupados porque somos bons e vamos ficar até o fim do contrato. Quando dizem para nao ficarmos preocupados ai que eu fico mesmo.
Quando o primeiro saiu, fomos almoçar todos juntos, o almoço de despedida. Quanta hipocrisia! Se me chamassem para um almoço depois de um pé na bunda, nao iria nunca. Se fosse, eu vomitaria na frente de todo mundo (ja contei a historia que vomito quando tenho crise de ansiedade). Se tem uma coisa que odeio é almoço de empresa, happy hour, festinha de fim de ano. Sou obrigada a trabalhar com essa gente, mas ter vida social com elas ja é too much. Poupe-me!
Estou respirando fundo, tomando cha de camomila, nao vou deixar a pressao, ou melhor, essa tortura psicologica me dominar. Apertei a tecla FODA_SE, nao sou uma pessoa competitiva, nao vou rivalizar com ninguém, eu deixo os outros ganharem a disputa apenas para que eu possa manter minha sanidade, ela vale mais que dinheiro para mim. Senhor, conceda-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar e blablabla, Amém!
Fiquei super mal por causa da saida dos meninos, comprei panettone, vinho, sorvete e estou assistindo a maratona Gilmore Girls, bem no estilo Bridget Jones na TPM, comendo e bebendo minhas emoçoes.

Falando em Gilmore Girls...

Se a vida esta dificil até para Rory que é mais jovem e inteligente, imagine para mim....
Lorelai indo fazer a trilha "The Pacific Crest" foi hilario. Book or movie? Ela é do time do livro, eu sou dos dois times porque gostei dos dois.
Lorelai indo fazer terapia com aquela atriz de Younger também foi otimo, a terapeuta cantando Unbreakable foi lindo, Lorelai chorou e eu também..
O melhor par para Rory é a Paris, ela é inteligente e bem resolvida (so é mandona e estressada rsrs), porém é melhor que todos aqueles caras frouxos que Rory arruma. Pena que o mundo ainda nao esta preparado para isso.

A Paris também esta sofrendo crises de ansiedade. Poor girl! Bem-vinda ao clube. 
"tenho medo, sinto-me so e tenho vontade de vomitar"
Ainda virou niilista: "Eu sou um balao que flutua em um infinito vazio "
Ja dizia Nietzsche:  é preciso ter um caos dentro de si para dar à luz uma estrela cintilante. Paris é um caos e uma estrela.
Nao estou com pressa de ver todo o revival nao, assisto um capitulo por dia.


Qual é a musica? Quem é o cantor?

Fui para Montréal de carona um dia desses, a pessoa estava ouvindo uma radio de rock e tocou uma musica que eu amei, mas nao tinha internet para acionar o Shazam, agora nao sei quem canta, muito menos o nome da musica. Achei a radio na internet e deixei o celular do lado para "Shazamnar" imediatemente, passei o domingo inteiro escutando, mas nao tocaram a musica porque domingo é dia dos classicos do rock, escuto algumas horinhas à noite, mas ainda nao tocou.

Musica grude

Nao consigo parar de cantar e dançar essa musica, chego em casa e vou fazer minhas coisas ouvindo isso o tempo inteiro:
Why you so jealous, why you so jealous over me?
Why you catchin' feelings, why you catchin' feelings? Jealousy over me



Uma foto nonsense
Guindaste que suporta os pesos mais pesados,
te desafio a tirar o peso da vida das minhas costas
Eu ficaria leve como uma pluma e voaria



sábado, 26 de novembro de 2016

Mulheres na direçao: Margarethe von Trotta (Alemanha)

Apos mais de 4 meses sem falar de filmes dirigidos por mulheres, senti a urgência de falar do trabalho da atriz, produtora e diretora alema, Margarethe von Trotta. Assisti à 7 filmes dela e vou fazer resuminho de cada um deles, recomendo-os muito, principalmente os filmes sobre as personalidades femininas alemas.

A honra perdida de Katharina Blum (1975)


Katharina, na semana de carnaval, saiu com um homem que estava sendo monitorado pela policia por envolvimento em atividades criminais. Eles passaram a noite juntos e logo de manha a policia chegou no apartamento dela procurando por ele, mas ele ja tinha fugido. 
Este filme é uma critica à imprensa sensacionalista que por se beneficiar da "liberdade de imprensa e de expressao", usa os métodos mais sujos para tornar publica a vida privada e as informaçoes confidenciais de uma pessoa que nao tem nem o direito de se defender. O jornalista passou a publicar coisas sobre ela questionando seu envolvimento com o criminoso, acusando-a de cumplice, de comunista, de prostituta e varios outros adjetivos dados principalmente às mulheres.


Anos de chumbo (1981)

Conta a historia de duas irmas, filhas de um pastor autoritario na Alemanha Nazista e que na adolescência rebelaram-se e passaram a lutar contra as injustiças. Mariane virou militante e acabou sendo presa e Juliane trabalhava em uma revista feminista e participava de manifestaçoes pelo direito da mulher poder decidir o que fazer com seu proprio corpo.
Mencionei quando li o livro "Ser Mulher no III Reich", de que Hitler tinha todo um conceito romântico de maternidade, dava medalhas para as maes que tinham mais filhos, etc. Este filme mostra com imagens da época como era exatamente esta propaganda de procriaçao.
Mariane teve um filho, mas nao pôde cuidar dele e Juliane a principio também nao podia. O filme fala de varios assuntos: familia, maternidade, trabalho, justiça, envolvimento em causas politico-sociais, militância, tratamento dado aos presos-politicos, papel da imprensa, entre outros.

Rosa de Luxemburgo (1986)


Sobre a vida de militância da judia de origem polonesa, Rosa de Luxemburgo. Ela trabalhou como jornalista e tradutora na impressa socialista, falava alemao, russo, francês, polonês e idiiche fluentemente. Era contra o nacionalismo, pois ja previa o que veio depois, os regimes totalitarios nacionalistas. Também foi contra a Primeira Guerra, queria que a implantaçao do socialismo fosse pacifico e democratico. Foi uma das fundadoras do Partido Comunista da Alemanha, do Partido Social-Democrata da Polônia e criticou severamente a politica dos bolcheviques na Revoluçao Russa. Fazia discursos inflamados e era sempre ovacionada ou odiada. Foi presa 9 vezes e depois assassinada juntamente com seu colega Wilhelm Pieck, em 1919.

Rosenstrasse (2003)


Narra os eventos ocorridos em 1943, na rua Rosen, onde um prédio foi usado como prisao de judeus durante o Nazismo. Mulheres alemas que eram casadas com judeus faziam vigilias no local esperando algum pronunciamento das autoridades da SS, queriam saber se eles estavam bem, tinham esperanças de vê-los ao menos pela janela.

Eu sou a outra (2006)


É um thriller psicologico sobre uma mulher com multiplas personalidades, ora era Alice, ora era Carlota e ora era Carolin. Uma dessas personalidades era mulher de negocios, outra saia à noite para se prostituir e a outra tinha complexo de Elektra, mantinha um relacionamento incestuoso com o pai. "Somos varias pessoas tentando ser uma".

Visao: A vida de Hildergard von Bingen (2009)


Hildergard foi uma religiosa do séc. XII que tinha visoes e escrevia sobre elas. Criou um convento para mulheres (antes padres e freiras viviam sob o mesmo teto e algumas freiras apareciam gravidas apos serem estupradas, entao ela pediu um espaço so para elas). Inventou a Lingua Ignota, uma lingua que so ela falava e escrevia. Foi médica e deixou varios escritos sobre Medicina e farmacia. Compôs mais de 70 cantos liturgicos, hinos e um musical intitulado Ordo virtutum. Alguns destes cantos estao disponiveis no Spotify para quem tiver interesse.


Preciso falar de mulheres religiosas neste blog. Em breve falarei de uma para começar esta série aqui.

Hannah Arendt (2012)


Hannah Arendt, judia-alema, foi a aluna preferida de Heidegger, escritora, filosofa, professora universitaria, poetisa, jornalista, etc. Durante a era Nazista ela se exilou nos EUA, perdeu a nacionalidade alema por ser judia, viveu 14 anos como apatrida e finalmente obteve a nacionalidade americana.
O filme narra o periodo pos-guerra em que ela foi convidada pela revista The New Yorker para escrever uma materia sobre julgamento de Adolf Eichmann e que foi um dos artigos mais controversos da historia, causando revolta na comunidade judaica. Enquanto todos estavam sedentos de vingança e de justiça, querendo a morte de Eichmann, ela disse que ele nao era um monstro, era apenas um burocrata do governo que estava apenas fazendo seu trabalho sem refletir. Ele fazia o controle/relatorios de pessoas que entravam nos trens para serem levadas aos campos de concentraçao, era um "laranja" que fazia "o que tinha de ser feito", so "cumpria ordens" e queria "mostrar serviço". Eu tenho pavor de gente que usa essas desculpas para justificar o trabalho de merda que fazem, pensando que podem ser isentos de condenaçao.
Os judeus acharam que ela estava defendendo ele, enquanto ela queria que ele fosse mesmo julgado e condenado, mas queria também deixar claro que estava sendo julgado mais por ser um ignorante que nao pensava, porque era um "pau-mandado" do que por ter cometido crimes, ele pessoalmente nao matou ninguém, mas controlava a saida dos trens que levavam pessoas para camaras de gas.

Minha lista "Mulheres na direçao" no Filmow (1762 filmes cadastrados e 182 assistidos até o momento).

Veja também:

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A biografia da Gertrude Stein

Li a biografia da Gertrude Stein, escrita por Nadine Satiat. Editora Flammarion, 1289 pags. Quero compartilhar com vocês alguns assuntos da vida dela, uma mulher avant-gardiste que revolucionou a literatura e influenciou toda uma geraçao de pintores e escritores. Nao era muito compreendida, mas todo mundo a respeitava.



Gertrude Stein nasceu nos EUA, em 1874, filha de um casal judeu que imigrou da Europa para os EUA. Retornaram para Europa, moraram em Viena e também na França, pois o pai achava que a educaçao na Europa era melhor para os filhos e que a educaçao nos EUA era muito provinciana. Os filhos tinham aulas particulares de francês, alemao, musica e equitaçao. Apos 5 anos, eles retornaram aos EUA.
O pai dela era autoritario e opressor. Sua mae adoeceu de cancer quando ela tinha 11 anos e seu pai nao tinha um pingo de piedade pela mulher mesmo ela estando doente, assediava sexualmente as empregadas da casa a ponto de ser repreendido pela comunidade judaica e ao mesmo tempo ensinava aos filhos que sexo era repugnante.

Estudos
Ela lia muito desde pequena, aos 9 anos ja tinha lido Shakespeare e varios outros autores ingleses dos sécs 18 e 19. Entrou em Harvard, na escola de estudos superiores para mulheres onde estudou Filosofia, Psicologia, Biologia e Literatura. Em seguida cursou Medicina na Universidade Johns Hopkins para se especializar em doenças nervosas femininas, mas desistiu no ultimo ano. Tudo isso em uma época em que o acesso das mulheres à universidade era super restrito, abriam vagas para casos excepcionais, mesmo assim ela conseguiu fazer varios cursos. Onde todo mundo via impecilhos, ela via oportunidades.

França
Gertrude e seu irmao Leo Stein eram muito apegados, gostavam de ler, de teatro, de opera, de viajar pelo mundo e de artes em geral. Em 1903, os dois se mudaram para Paris, na 27 rue de Fleurus e tornaram-se mecenas, compravam quadros de artistas como Cézanne, Matisse, Picasso, entre outros. Estes artistas eram mal vistos pelos criticos de artes que repudiavam a arte moderna, achavam de mau-gosto e grotesca. Porém, os Stein eram visionarios, os quadros adquiridos a um preço acessivel na época, passaram a valer milhoes mais para frente. 
O apartamento deles era frequentado por estudantes de artes, artistas, escritores, musicos e dançarinos. Depois de um tempo Leo Stein mudou para Italia e eles nunca mais se falaram.
Picasso foi um dos melhores amigos de Gertrude durante toda a vida. Inclusive eu também li as correspondências entre os dois, mas sera tema de um outro post.
Apos sua mudança para Europa, ela retornou aos EUA apenas uma vez, em 1934, para uma série de palestras e conferências em todo o pais, durante 6 meses. Nao saiu da França nem durante a Ocupaçao Nazista durante a Segunda Guerra, seus amigos estavam temerosos e pediram para que ela se exilasse em um pais mais seguro porque se ela ficasse la, correria o risco de ser enviada a um campo de concentraçao, mesmo assim ela nao arredou o pé.

Gertrude Stein por Pablo Picasso


Literatura 
Gertrude é conhecida como a mae do Modernismo e da literatura cubista, escreveu poemas, romances, livros infantis, peças teatrais, operas, biografias, ensaios, artigos, fez traduçoes, etc. É responsavel por introduzir na literatura universal elementos como: escrever sem pontuaçao, a repetiçao incessante e a falta de coesao. Ela estava interessada no jogo de palavras, na sonoridade e nao se aquilo fazia sentido ou nao. Inclusive ela questionava: Por quê tudo tem que fazer sentido para as pessoas? Como ela e Thornton Wilder disseram nos fragmentos abaixo, as pessoas nao entendem seus artistas e autores contemporâneos, eles sao mal vistos e mal compreendidos, os que abrem caminhos nao tem o mesmo prestigio que seus seguidores tiveram. Ela influenciou muitos escritores e abriu a porta para eles obterem sucesso, tais como: Sherwood Anderson, Ernest Hemingway, Francis Scott Fizgerald, entre outros.

The world can accept me now because there is coming out of your generation somebody they don’t like, and therefore they accept me because I am sufficiently past in having been contemporary so they don’t have to dislike me. So thirty years from now I shall be accepted. And the same thing will happen again: that is the reason why every generation has the same thing happen. It will always be the same story, because there is always the same situation presented. The contemporary thing in art and literature is the thing which doesn’t make enough difference to the people of that generation so that they can accept it or reject it.
When one is beginning to write he is always under the shadow of the thing that is just past. And that is the reason why the creative person always has the appearance of ugliness. There is this persistent drag of the habits that belong to you. And in struggling away from this thing there is always an ugliness. That is the other reason why the contemporary writer is always refused. It is the effort of escaping from the thing which is a drag upon you that is so strong that the result is an apparent ugliness: and the world always says of the new writer, “It is so ugly!” And they are right, because it is ugly. If you disagree with your parents, there is an ugliness in the relation. There is a double resistance that makes the essence of this thing ugly.You always have in your writing the resistance outside of you and inside of you, a shadow upon you, and the thing which you must express. In the beginning of your writing, this struggle is so tremendous that the result is ugly; and that is the reason why the followers are always accepted before the person who made the revolution. The person who has made the fight probably makes it seem ugly...

(How Writing Is Written (1935), Gertrude Stein)
 
There are certain of Miss Stein’s idiosyncrasies which by this time should not require discussion, for example, her punctuation and recourse to repetition. The majority of readers ask of literature the kind of pleasure they have always received; they want “more of the same”; they accept idiosyncrasy in author and periods only when it has been consecrated by long accumulated prestige, as in the cases of the earliest and the latest of Shakespeare’s styles, and in the poetry of [John] Donne, Gerard Manley Hopkins, or Emily Dickinson. They arrogate to themselves a superiority in condemning the novels of [Franz] Kafka or of the later [James] Joyce or the later Henry James, forgetting that they allow a no less astonishing individuality to Laurence Sterne and to [François] Rabelais.This work is for those who not only largely accord to others “another’s way,” but who rejoice in the diversity of minds and the tension of difference.It is perhaps not enough to say: “Be simple and you will understand these things”; but it is necessary to say: “Relax your predilections for the accustomed, the received, and be ready to accept an extreme example of idiosyncratic writing."
(Gertrude Stein Makes Sense (1947), Thornton Wilder)

Ausência de pontuaçao

No mundo moderno nao existe pausa, esta todo mundo apressado, a virgula ou um ponto é uma pausa que impedem o dialogo rapido. Alguns autores como E.E. Cummings e José Saramago utilizaram este recurso mais tarde.

Repetiçao

Todas nossas açoes sao repetitivas, todo dia a gente levanta, come, trabalha, dorme, puxa os mesmos assuntos no elevador. Com a modernidade veio a linha de produçao, produzindo em grande escala as mesmas coisas (vide o quadro da sopa Campbell do Andy Warhol que usou esse recurso mais tarde na arte). Ela questiona o porquê das pessoas estranharem a repetiçao em suas obras, se isso faz parte da vida contemporanea, ela apenas introduziu na literatura. 

No Brasil, por exemplo, Carlos Drummond de Andrade e todo o grupo modernista da Semana de Arte Moderna de 22 foram influenciados pelo circulo artistico e literario de Gertrude. Prova disso é o poema "No meio do caminho tinha uma pedra..." que repete a mesma coisa o tempo inteiro.
Um dos poemas de repetiçao mais famoso de Gertrude é:
A rose is a rose is a rose is a rose 
(Escrito em forma de um circulo, dando um movimento continuo e infinito à frase, publicado em seu livro infantil chamado The World Is Round, 1934)

Eis o fragmento de um texto bem repetitivo intitulado "Quando uma esposa tem uma vaca, uma historia de amor":

Nearly all of it to be as a wife has a cow, a love story. All of it to be as a wife has a cow, all of it to be as a wife has a cow, a love story.
 As to be all of it as to be a wife as a wife has a cow, a love story, all of it as to be all of it as a wife all of it as to be as a wife has a cow a love story, all of it as a wife has a cow as a wife has a cow a love story.
Has made, as it has made as it has made, has made has to be as a wife has a cow, a love story. Has made as to be as a wife has a cow a love story. As a wife has a cow, as a wife has a cow, a love story. Has to be as a wife has a cow a love story. Has made as to be as a wife has a cow a love story.
 When he can, and for that when he can, for that. When he can and for that when he can. For that. When he can. For that when he can. For that. And when he can and for that. Or that, and when he can. For that and when he can...

Agora o video dela lendo o retrato que ela fez de Picasso.

Para ser sincera, estou lendo tudo dela e estranhando tudo, essas repetiçoes que parecem gagueira ou delirio me deixa nervosa rsrs. Estou me acostumando aos poucos, de tanto ler isso, parece que estou falando igual lol. Leia em voz alta e no original (traduzido nao tem o mesmo efeito) que o barato é louco.

Questoes raciais

Gertrude introduziu na literatura americana uma personagem protagonista negra, a Melanctha, no livro "Three Lives", em 1909. O escritor negro Richard Wright, autor de Black Boy, declarou:
“the first long serious literary treatment of Negro life in the United States.”
"As I read it my ears were opened for the first time to the magic of the spoken word. I began to hear the speech of my grandmother, who spoke a deep, pure Negro dialect and with whom I had lived for many years. All of my life I had been only half hearing, but Miss Stein’s struggling words made the speech of the people around me vivid. From that moment on, in my attempts at writing, I was able to tap at will the vast pool of living words that swirled around me."

Além de Melanctha, ela escreveu a opera "Four Saints in Three Acts" e exigiu que o elenco fosse 100% negro em uma época que a segregaçao racial era forte nos EUA. Declarou que Richard Wright era o melhor escritor americano Pos-Guerra e leu todos os livros dele. Também recebia em sua casa musicos de jazz e dançarinos, entre eles a Josephine Baker.

Feminismo

Gertrude nunca se envolveu diretamente com causas feministas, raciais, LGBT ou politicas, mas em suas obras ela sempre deixou bem clara sua posiçao.
Patriarcado virou uma das palavras-chaves na segunda fase do feminismo graças à ela. Ela introduziu esta palavra em um texto intitulado Patriarchal Poetry, em que criticava a figura do pai judeu (religiao dos patriarcas). Tinha orgulho de ser judia de raça, mas renegou a religiao judaica.

Dizia que patriarcal era tudo o que era imposto aos outros como regra absoluta e sem questionamentos, um certo tipo de pensamento rigido, sistematico e tirânico que regia tudo: a familia, a politica, a guerra e até a forma de escrever poemas de amor. A autoridade patriarcal vai na frente de tudo, inclusive ela colocou até no cardapio semanal, o poema diz o seguinte (traduçao livre por mim):
Poesia patriarcal sem carne na segunda
Poesia patriarcal e carne na terça
Poesia patriarcal e carne de caça na quarta
Poesia patriarcal e peixe na sexta
Poesia patriarcal e aves no domingo
Poesia patriarcal e frango na terça
Poesia patriarcal e bife na quinta

Também escreveu de maneira repetitiva e sem virgulas sobre a necessidade da liberaçao da mulher (traduçao livre por):
Deixe-a tentar deixe-a ser  deixe-a ser deixe-a ser ser ser deixe-a ser deixe-a tentar. Ser timida. Deixe-a ser. Deixe-a tentar.
Jamais seja diz ele. Jamais seja diz ele. Deixá-la ser o quê diz ele. Nao a deixe ser o que quer que seja diz ele.
Nota-se o desprezo da voz masculina e a mulher ausente do processo de decisao concernante à ela onde tudo lhe é negado.

Falarei da Poesia Patriarcal em um post especifico.

Em seu livro "Everybody's Autobiography" ela escreve sobre politica sob a otica paternalista: 
"tem muito paternalismo no mundo e sem sombras de duvidas os pais sao deprimentes. Todo mundo hoje em dia é pai. Ha o pai Mussolini, o pai Hitler, o pai Roosevelt, o pai Stalin, o pai Blum, o pai Franco. A Inglaterra é atualmente o unico pais que nao é paternalista, por isso as pessoas sao mais felizes la do que em qualquer outro lugar. Os periodos mais sinistros da historia sao aqueles que vimos as silhuetas de pais onipresentes. Apesar de tudo, os pais aparecem e desaparecem. Quando ninguém tem pai, eles querem ter um e assim que todo mundo tem um, começam a arrepender-se de tê-lo. No séc. 18 estava todo mundo saturado de pai até que aos poucos o capitalistas e sindicalistas começaram a se tornar pais, também os comunistas e ditadores, agora todo mundo tem um pai. Espero que no séc. 21 seja um tempo agradavel em que todo mundo esqueça quem é e quem foi pai"

Sinto lhe informar Dona Gertrude, o séc. 21 esta cheio de pai, se a senhora visse pai Trump, pai Temer e pai Poutin teria um colapso nervoso. Vamos ser otimistas para o séc. 22 talvez? Bem, eu nao estarei la para testemunhar.


Homossexualidade feminina

Gertrude sabia desde cedo que nunca se casaria porque quando era pequena viu um homem bater na mulher com guarda-chuva e ninguém fez nada. Também nao queria ter a vida da sua mae que se submetia a todos os caprichos do marido autoritario. Viu uma parente que pediu o divorcio porque nao aguentava o marido, mas o juiz nao autorizou e ainda a proibiu de se afastar com os filhos dele.
Foi com quase 30 anos de idade que ela se deu conta que tinha atraçao por mulheres ao apaixonar perdidamente por May Bookstaver, filha de um juiz da Corte Suprema do Estado de NY e que militava ativamente na National Woman Suffrage Association pela igualdade de direitos e direito ao voto feminino.
Gertrude, devido à sua criaçao, tinha um horror quase puritano ao contato fisico, era inibida, insegura em relaçao ao seu corpo e nao sabia como reagir às demonstraçoes de afeto e carinho. Quando May deu um beijo nela, sentiu-se ofendida, achou aquilo nojento, nao sabia se essa reaçao era de ordem moral ou era o instinto puritano impregnado na educaçao americana que ela tinha recebido e que tinha interferido no seu comportamento natural. May era paciente, entendia que Gertrude precisava de um tempo para lidar com seus sentimentos e sua sexualidade. O relacionamento nao deu certo, mas em 1903 Gertrude escreveu a historia delas no livro Q.E.D. (abreviaçao de "Quod erat demonstrandum", termo latim usado na matematica no fim de uma demonstraçao), so foi publicado em 1950, apos a morte de Gertrude.
Em 1907, Alice B. Toklas chega em Paris e começa a trabalhar para Gertrude datilografando e revisando seus artigos e livros.
As duas se apaixonaram, Gertrude ja tinha superado a inibiçao que teve no primeiro relacionamento, agora se sentia mais à vontade.
Gertrude e Alice em Veneza, 1908

Alice mudou para casa de Gertrude em 1910, as duas passaram a viajar juntas pela Europa, tinham cachorrinhos fofos, recebiam amigos, foram voluntarias durante a Primeira Guerra, dirigiam o caminhao de suprimentos para os soldados feridos. Alice gostava de cozinhar, inclusive publicou livros de receitas. Foram companheiras durante 39 anos, até que a morte as separou.
Como eu disse no dossiê da Alejandra Pizarnik, se a historia da mulher nao é contada, da mulher homossexual é menos ainda, porém elas sempre foram muito ativas na sociedade. Citarei apenas algumas que foram mencionadas nesta biografia e que faziam parte do circulo literario, intelectual e editorial no começo do sec. 20, nos EUA, na Inglaterra e na França.
  • A americana Sylvia Beach, dona da livraria Shakespeare and Co. (primeira livraria especializada em literatura anglofona em Paris) e sua companheira francesa, também livreira da "Maison des amis des livres", Adrienne Monnier.
  • Kate Buss: jornalista, poetisa, pintora, escultora e feminista, publicou "Jevons block: a Book of Sex Enmit", em 1917.
  • Djuna Barnes: poetisa, critica literaria, analista da condiçao feminina e da exploraçao sexual de mulheres, era interessada pela arte circense e music-hall. Escreveu em 1913, aos 23 anos,"The Book of Repulsive Women", sobre a sexualidade feminina.
  • Jane Heap e sua companheira Margaret Anderson, eram editoras da revista literaria "Little Review".
  • Anna Howard Shaw (1847-1919), teve uma infância dificil em Michigan, tornou-se professora, estudou Teologia apos a Guerra de Secessao, foi a primeira mulher pastora da igreja Metodista, estudou Medicina, deixou o pastorado para se dedicar inteiramente ao sufragio feminino e à campanha antialcoolismo, tornou-se uma das principais lideres e conferencistas da National Woman Suffrage Association, fazendo campanhas durante 18 anos junto com Susan B. Anthony (um dos grandes nomes do feminismo americano). Anna vivia com sua "secretaria particular", Lucy Church.


É isso por enquanto! Continuarei a falar dela em outros posts, pois estou lendo outras coisas e o que nao falta é assunto quando se trata de dona Gertrude.

sábado, 15 de outubro de 2016

Sobre o Nobel para Bob Dylan e outras reflexoes


O Nobel foi polêmico este ano por alguns motivos:

  • Nenhuma mulher ganhou em nenhuma categoria
  • Todos os americanos que ganharam sao na verdade imigrantes
  • Bob Dylan ganhou o Nobel de Literatura

Estava torcendo para Lygia Fagundes Telles. Os fans do Philip Roth estavam todos raivosos nas redes sociais porque acreditavam que ele seria o ganhador e nao foi. Porém, se os nossos favoritos nao ganharam, isso nao da o direito de desmerecer a obra do Bob Dylan, nao é mesmo? Como eu amo esse homem, prefiro nao opinar se é justo ele ganhar ou nao. Apenas posso argumentar de uma maneira sucinta que ele tem cacife para ganhar SIM. 
Este prêmio foi importante para repensarmos a literatura. Segundo o dicionario:

li·te·ra·tu·ra
sf
Arte de compor escritos, em prosa ou em verso, de acordo com determinados princípios teóricos ou práticos
O conjunto das obras literárias de um país, um gênero, uma época etc. que, pela qualidade de seu estilo ou forma e pela expressão de ideias de interesse universal ou permanente, têm reconhecido seu alto valor estético
Qualquer dos usos estéticos da linguagem, mesmo quando não escrita

A arte de compor musicas pode ser considerada literatura? SIM.
Eu sei que essa ideia tira muita gente da zona de conforto, inclusive muita gente que lê e que escreve, mas tem a mente fechada e acha que so quem escreve romances de 800 paginas merece prêmios literarios.

O artigo e minha pilha de teatro para ler
Coincidentemente, algumas semanas atras, li um artigo na revista "Libraires" (é escrita por livreiros que discutem sobre livros e gêneros literarios. Esta revista tem discussoes de otima qualidade e é gratuita, distribuida na rede de bibliotecas de Québec e em varios outros lugares publicos). O artigo intitulado "Ler o teatro", fala da importância do teatro para literatura universal, faz uma linha do tempo desde o teatro antigo grego com Ésquilo, Sófocles e Eurípedes na tragédia, e Aristófanes na comédia, inclui também Shakespeare, Molière, Samuel Beckett, Brecht, Ibsen, Tennessee Williams, Arthur Miller, Racine, George Bernard Shaw, Eugene O'Neill, Sartre, Pirandello, Augusto Boal (É do Brasil!!!), entre outros dramaturgos.
A discussao era: mesmo tendo tantas obras teatrais de excelente qualidade literaria, o teatro ainda é considerado uma literatura marginal. Muitas pessoas nao se interessam em lê-lo.
Além do teatro, a poesia também nao é do tipo que agrada todo mundo e muita gente faz cara feia quando um poeta leva o prêmio no lugar de alguém que escreveu um calhamaço.
Resumo da opera: Se as pessoas nao querem reconhecer o teatro como literatura, sendo o teatro tao antigo quanto a propria humanidade, imagina esse povo tendo que engolir composiçao musical como literatura... OMG! Songwriter is a writer! Foi a premiaçao mais avant-gardiste de todos os tempos. Quebrou geral com o tradicionalismo, deixou todo mundo sem entender nada.

Estou sem tempo para fazer um post elaborado, vou direto ao ponto. Antes de criticar o Bob Dylan, sugiro algumas obras que podem transformar esse seu odio por ele em amor:

  • Leiam Tarantula, o livro de prosa poética dele, escrito na década de 60.
  • Escutem as musicas e leiam as letras.
  • Assistam ao filme No direction home, do Martin Scorsese




Eu tenho um livro otimo chamado "Bob Dylan, All the songs - The story behind every track", escrito por Philippe Margotin e Jean-Michel Guesdon. Como diz no titulo, conta a historia por tras de cada letra. Vou colocar em inglês mesmo porque estou sem tempo para traduzir, também nao sei se tem esse livro em português. Escolhi apenas 3 musicas dentre as quase quinhentas.
Por exemplo, Blowin' in the Wind foi escrita em 10 minutos, em um café, agora leia a importância dela em varios momentos historicos:
As surprising as it may seem, Dylan wrote “Blowin’ in the Wind” in just ten minutes on April 16, 1962. He was in a coffee shop, the Commons, opposite the Gaslight, the mythical center of the folk scene in the heart of Greenwich Village, where not only Dylan but also Richie Havens, Jose Feliciano, and Bruce Springsteen, among others, got their start. In 2004, when CBS newsman Ed Bradley asked Dylan about the speed with which he wrote, Dylan replied honestly: “It came from… that wellspring of creativity.” 
Listening to “Blowin’ in the Wind,” there is a profound spirituality—a philosophical spirituality, since with Dylan the power of the spirit will always be more important than material or religious spirituality. The songwriter seems to have been inspired by images in the book of Ezekiel to create this message: “How many times must a man look up before he can see the sky? Yes, n’how many ears must one man have before he can hear people cry?” Dylan explicitly refers to the Old Testament: “The word of the LORD came to me: Oh mortal, you dwell among the rebellious breed. They have eyes to see but see not; ears to hear, but hear not.”
The melody, as Dylan admitted, was musically based on “No More Auction Block,” a spiritual that he heard Delores Dixon sing every night with the New World Singers at Gerde’s Folk City. “I didn’t really know if that song was good or bad,” he told Scorsese. “It just felt right… I needed to sing it in that language, which is a language that I hadn’t heard before.”6 And the power of this language was such that he would shine in future protest events, such as on August 28, 1963, during the March on Washington, when “Blowin’ in the Wind” was sung by Peter, Paul and Mary on the steps of the Lincoln Memorial. Mary Travers recalls: “If you could imagine the March on Washington with Martin Luther King and singing that song in front of a quarter of a million people, black and white, who believed they could make America more generous and compassionate in a nonviolent way, you begin to know how incredible that belief was.” This song continues to carry his message of hope beyond the sixties. Thus, in 1985 at the end of the Live Aid festival, Dylan, along with Keith Richards and Ron Wood, performed it once again for the youth of the world, their words carried by the wind.
“But I didn’t really know that it had any kind of anthemic quality or anything,” said Dylan to Scorsese. Early in his career, he refused the label of a “prophet,” even though people wanted him to be one. 
Essa musica, It's Alright, Ma (I'm Only Bleeding) que fala de sociedade, consumo, politica, medo, desilusao, sexualidade, etc.
With “It’s Alright, Ma (I’m Only Bleeding),” written in the summer of 1964, Bob Dylan came back to the protest songs of his early career. Accompanied only by his folk-blues guitar, the singer and poet severely criticizes the hypocrisy and commercialism of a society led by a “junk elite.” On the literary side, there is a connection to Allen Ginsberg’s poem “Howl,” a liberating cry, in which the writer of the Beat generation denounced the obscenity of modern civilization. “It’s Alright, Ma (I’m Only Bleeding)” is Dylan’s indictment of false prophets and manipulators. 
“It’s Alright, Ma (I’m Only Bleeding)” contains the line “But even the president of the United States / Sometimes must have to stand naked.” This had a particular resonance when Bob Dylan performed it on his 1974 tour, months after Richard Nixon resigned as president of the United States as a result of the Watergate scandal. Two years later, Jimmy Carter, future president of the United States, mentioned a line taken from “It’s Alright, Ma” in his speech at the Democratic National Convention: “That he not busy being born is busy dying.” 

(...)
Disillusioned words like bullets bark
As human gods aim for their marks
Made everything from toy guns that sparks
To flesh-colored Christs that glow in the dark
It's easy to see without looking too far
That not much
Is really sacred.
While preachers preach of evil fates
Teachers teach that knowledge waits
Can lead to hundred-dollar plates
Goodness hides behind its gates
But even the President of the United States
Sometimes must have
To stand naked.
An' though the rules of the road have been lodged
It's only people's games that you got to dodge
And it's alright, Ma, I can make it.
Advertising signs that con you
Into thinking you're the one
That can do what's never been done
That can win what's never been won
Meantime life outside goes on
All around you.
You loose yourself, you reappear
You suddenly find you got nothing to fear
Alone you stand without nobody near
When a trembling distant voice, unclear
Startles your sleeping ears to hear
That somebody thinks
They really found you.
(...)
Although the masters make the rules
For the wise men and the fools
I got nothing, Ma, to live up to.
For them that must obey authority
That they do not respect in any degree
Who despite their jobs, their destinies
Speak jealously of them that are free
Cultivate their flowers to be
Nothing more than something
They invest in.
(...)
Old lady judges, watch people in pairs
Limited in sex, they dare
To push fake morals, insult and stare
While money doesn't talk, it swears
Obscenity, who really cares
Propaganda, all is phony.
While them that defend what they cannot see
With a killer's pride, security
It blows the minds most bitterly
For them that think death's honesty
Won't fall upon them naturally
Life sometimes
Must get lonely.

The Times They Are A Changin' 

Bob Dylan wrote “The Times They Are A-Changin’” in the fall of 1963, inspired by old Irish and British ballads. Contrary to “Masters of War” and “A Hard Rain’s A-Gonna Fall,” “The Times They Are A-Changin’” did not deal with any specific topic. The song instead expressed a feeling, a shared hope that the sixties would transform society.John F. Kennedy was assassinated in Dallas, and soon afterward, large numbers of GIs left for Vietnam. The very next day after this tragedy, Dylan reluctantly gave a concert in New York. “The Times They Are A-Changin’” was the first song he performed. “It became sort of an opening song and remained that way for a long time,” he explained in the Biograph booklet. In those circumstances, he feared the public would reject him. To his great surprise, the song received a standing ovation.



Come writers and critics
Who prophesize with your pen
And keep your eyes wide
The chance won't come again
And don't speak too soon
For the wheel's still in spin
And there's no telling who that it's naming
For the loser now will be later to win
Cause the times they are a-changing

Come senators, congressmen
Please heed the call
Don't stand in the doorway
Don't block up the hall
For he that gets hurt
Will be he who has stalled
There's the battle outside raging
It'll soon shake your windows and rattle your walls
For the times they are a-changing

Come mothers and fathers
Throughout the land
And don't criticize
What you can't understand
Your sons and your daughters
Are beyond your command
Your old road is rapidly aging
Please get out of the new one if you can't lend your hand
Cause the times they are a-changing

The line it is drawn
The curse it is cast
The slowest now
Will later be fast
As the present now
Will later be past
The order is rapidly fading
And the first one now will later be last
Cause the times they are a-changing

É isso! Ja podem vomitar arco-iris.... ♥♥♥